Nelma Kodama, doleira da Lava Jato, se aliou a chefe do tráfico

Doleira Nelma Kodama é presa por tráfico de drogas em Lisboa 

A doleira Nelma Kodama, investigada na Operação Lava Jato, integrava um esquema de tráfico internacional de drogas que contava com a participação do Primeiro Comando da Capital (PCC). A informação vem dos documentos da operação da Polícia Federal (PF) que prendeu Nelma novamente na semana passada, por suspeita de atuar no comércio de entorpecentes para a Europa.

Segundo a investigação, a doleira e outros suspeitos na mira da PF também estiveram envolvidos na venda de respiradores e máscaras durante a pandemia da Covid-19. A Operação Descobrimento foi deflagrada no Brasil e em Portugal há uma semana. O foco era a atuação de uma quadrilha que transportava cocaína escondida na fuselagem de aeronaves de luxo para a Europa. O esquema com jatinhos funcionou por ao menos dois anos, entre 2020 e 2022, segundo os investigadores.

TRÁFICO
Em voo de fevereiro do ano passado, a PF interceptou o transporte e apreendeu 535,6 quilos de cocaína em um avião que chegava a Salvador. Sete pessoas tiveram mandado de prisão expedido pela Justiça, que ordenou buscas em 46 localidades do país. Todos os suspeitos, incluindo Nelma, vão responder pela prática dos crimes de tráfico internacional de drogas, lavagem de dinheiro e formação de organização criminosa.

A doleira ficou conhecida em março de 2014, após ser presa na 1ª fase da Operação Lava Jato sob suspeita de participar de lavagem de dinheiro no esquema de corrupção na Petrobras com o doleiro Alberto Yousseff. Na época, ela foi detida em São Paulo, quando tentava embarcar para Milão, com 200 mil euros escondidos na calcinha. Quando foi chamada para se explicar sobre as acusações no Senado na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, Nelma roubou a cena ao cantar a música Amada Amante, de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, ao ser questionado sobre sua relação com Yousseff.

No esquema de tráfico, a atuação do grupo se dividia em três núcleos identificados pela PF. A doleira Nelma Kodama integrava o primeiro núcleo. Ainda estava neste grupo Marcelo Mendonça de Lemos, apontado como integrante do alto escalão do PCC. Lemos é conhecido pelos apelidos Marcelo Grandão e Marcelo Infraero, supostamente pelo fato de sempre frequentar o aeroporto. Nelma, Lemos e outras quatro pessoas (entre elas o ex-secretário de Ciência e Tecnologia de Mato Grosso Nilton Borgato) seriam os responsáveis pela aquisição da droga com os fornecedores e sua introdução no mercado europeu.

Um despacho da Justiça informa que Marcelo Lemos e sua mulher saíram do Brasil em 2 de junho do ano passado, com destino à América Central. Posteriormente, viajaram para os Estados Unidos, onde, possivelmente, permanecem até hoje.

NAMORADO
A doleira participava das remessas de drogas ao exterior antes de o avião com drogas ser flagrado em Salvador. Ela mantinha relacionamento amoroso com outro suspeito de participar do esquema: Rowles Magalhães Pereira da Silva. O relatório da PF traz, com riqueza de detalhes, até com cópias de conversa de WhatsApp entre Nelma e Rowles, a importante participação de ambos em uma operação envolvendo a remessa de droga entre 4 de abril de 2020 e 13 de junho de 2020.

Outro integrante do núcleo, Claudio Rocha Junior, está preso em Portugal. Ele é suspeito de integrar o grupo criminoso, tanto no tráfico internacional como na lavagem de capitais. Rocha estaria, fora do Brasil, atuando em vários países da América do Sul, além de Estados Unidos, Austrália e Europa (sobretudo Portugal e Espanha).

VOOS INTERNACIONAIS
O relatório da PF demonstra que Rowles Magalhães e Ricardo Agostinho (outro suspeito de integrar o núcleo principal da organização) são as pessoas que organizam os voos internacionais entre Brasil e Portugal para o transporte da droga. Rowles possui dupla nacionalidade (brasileira e portuguesa), o que facilita o seu trabalho na organização criminosa. Segundo a PF, ele é lobista e já foi assessor especial do gabinete da vice-governadoria em Mato Grosso.

O advogado Adib Abdouni, que atua na defesa de Rowles, disse que seu cliente é inocente. O advogado Nelson Wilians, que representa Nelma Kodama, afirma que a empresária “continua em detenção provisória até a decisão sobre o pedido de extradição”.

Segundo nota divulgada por Wilians, em audiência na quinta (21) no Tribunal da Relação de Lisboa, foi dado o prazo de 18 dias para que o Brasil apresente a documentação completa para a extradição.

– Confiamos na Justiça e, em breve, tudo será esclarecido e resolvido para nossa cliente – acrescenta a defesa de Nelma.

O segundo núcleo da organização, de acordo com a PF, é integrado por quatro homens responsáveis pela parte operacional e financeira.

Conforme o relatório da PF, Marcos Paulo Barbosa, vulgo Papito, e Fernando de Souza Honorato eram responsáveis pela parte operacional da organização. A parte financeira ficava com Marcelo Lucena da Silva e Edson Carvalho Sales dos Santos.

DEFESA
O advogado Luiz Alberto Derze, que atua na defesa de Nilton Borgato, disse que as acusações “não demonstram envolvimento do investigado com as trativas ilícitas”. Segundo o advogado, “trata-se de meras suposições e presunções que serão esclarecidas em tempo e modo devido”. Ele afirmou ainda que Borgato “nega com veemência as levianas imputações sustentadas” pelas investigações. A reportagem não localizou as defesas de Ricardo Agostinho, Marcelo Infraero e Claudio Rocha Junior.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: