Bolsonaro dispara: ‘Eleição não auditável não é eleição, é fraude’

Presidente voltou a criticar interferência de Luís Roberto Barroso no assunto

O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a adoção do voto impresso e auditável no Brasil como forma de evitar fraudes nas eleições do ano que vem.

Na manhã desta segunda-feira (19), em encontro com apoiadores, Bolsonaro reforçou que sua prioridade é a adoção do “voto auditável” e, novamente, fez críticas ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso.

Em ataque ao seu possível concorrente nas eleições de 2022, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Bolsonaro declarou que “as mesmas pessoas que tiraram Lula da cadeia e o tornaram elegível vão contar os votos dentro do TSE de forma secreta”.

Segundo o chefe do Executivo, suas declarações endereçadas ao presidente do TSE, feitas nas últimas semanas, não têm o objetivo de ofendê-lo, mas sim de “mostrar a realidade”.

– Acham que estou ofendendo o Barroso? Estou mostrando a realidade. Barroso foi para dentro do Parlamento fazer reunião com parlamentares. Acabou a reunião, e o que vários líderes partidários fizeram? Trocaram os deputados da comissão especial para votar contra o parecer do Filipe Barros, que é o relator [da PEC do voto impresso], para não ter voto impresso – disse.

De acordo com Bolsonaro, após o encontro, diversos parlamentares que eram a favor do voto impresso mudaram de opinião sobre o tema. Ainda sobre o assunto, o presidente voltou a afirmar que “eleição não auditável não é eleição, é fraude”.

Em conversa com apoiadores, Bolsonaro também ampliou os questionamentos sobre o uso de urna eletrônica e levantou a possibilidade de haver fraudes nas eleições para deputado federal. Segundo o presidente, se ele for disputar a reeleição de 2022, entrega a faixa presidencial para “qualquer um”, contanto que as eleições sejam limpas.

*AE

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: